Madiba – Meu rei a luta contínua pela energia vital, o amor universal.

 

Imagem

Nosso Madiba está sendo chamado de volta para o Olorum, de onde foi enviado para mostrar ao mundo que somos todas e todos energia da mesma energia, que a cor da pele não modifica o destino final, o retorno à energia vital que é a energia eterna.

Somos tão ligados energeticamente que podemos sentir outra vez as adversidades do racismo bater em nossa porta diária com a força dos séculos passados. Retrocessos de conquistas de nossos antepassados, concentrados em nosso Madiba, que conseguiu no sua claúsura forçada, energizar as almas dos mais hostis e mudar as atitudes do mundo.

O berço da civilização humana perecendo de fome, frio,de guerras civis e segregação racial nestes dias sofre mais, pela insegurança do que se tornará a África e o mundo se madiba se for neste momento onde parece que seu sacríficio e ensinamento se esvai pelo tempo no caminho do esquecimento dos irmãos sem melanina.

Madiba, sente e luta como sempre lutou para que talvez nestes últimos momentos de vida, esteja nos passando uma mensagem, lutem, lutem até o último suspiro, lutem por que vale a pena lutarmos por aquilo que acreditamos, e no que acreditamos? No amor universal e é isto, que devemos lutar pelo amos universal, porque sem este amor, acabaremos com nossa espécie e não terá cor branca, nem negra que reinará em algo morto….

-Lutem! Como estou lutando, a chama violeta está em todos vocês como está em mim…busquem dentro de si a paz, esta energia que emana de cada um está em cada um só lutar para fazer com que esta energia seja do bem, para o bem e construam um mundo novo de igualdade, pois viemos e iremos todos somarmos a mesma energia cósmica, a energia vital da eternidade.

Madiba, meu rei, estamos todas e todos aqui emanando energias positivas para que sua luta de ontem e a de hoje seja uma grande explosão de consciência mundial para a igualdade racial.

 

Lopes, Leila R.

Jornalista

 

Anúncios

MUJICA SOBRE SUA INDICAÇÃO PARA NOBEL DA PAZ

josé Mujica, presidente do Uruguai, sobre indicação ao Prêmio Nobel da Paz:

Imagem“Estão loucos. Que prêmio da paz, nem prêmio de nada. Se me derem um premio desses seria uma honra para os humildes do Uruguai para conseguirem uns pesos a mais para fazer casinhas… no Uruguai temos muitas mulheres sozinhas com 4, 5 filhos porque os homens as abandonaram e lutamos para que possam ter um teto digno… Bom, para isso teria sentido. Mas a paz se leva dentro. E o prêmio eu já tenho. O prêmio está nas ruas do meu país. No abraço dos meus companheiros, nas casas humildes, nos bares, nas pessoas comuns. No meu país eu caminho pela rua e vou comer em qualquer bar sem essa parafernália de gente de Estado.”

Breve análise política

A Cupula de planejamento estratégico político do PT acertou no inicio no seu planejamento para que através de LULA, o programa político do partido pudesse ser colocado em prática para a população brasileira, muitas coisas não pegaram, mas o foco principal que é o combate a extrema pobreza, pacto este que só foi fortalecido mediante acordos internacionais e alianças com empresariado (PP), Esta aliança que tenho chamado de doutrina do choque  (http://youtu.be/Y4p6MvwpUeo) na ordem cronológica no lugar do PT proteger nossa população de conflitos armados diretos, como por exemplo a volta da ditadura, trocou suas lutas históricas acreditando que fazendo estas alianças estaria protegendo o povo deste retorno ditatorial, porém o que estamos vendo é um país sendo dominado pelos fundamentalismos e que até o projeto maior do PT, o bolsa família, acaba de ser atacado com uma força que os responsáveis se embananaram todxs para explicarem o que aconteceu…vemos os conflitos pelos direitos das demarcação das terras indígenas, quilombolas e de reforma agrária, a educação, as campanhas de prevenção, a câmara dos Deputados, enfim…Um tiro saindo pela Culatra, pois o PT pode até ganhar a releeição em 2015 mas será justamente pelo voto de quem está recém entrando no jogo político ou de quem de alguma forma está sendo amparado pelos projetos sociais…porém, é uma pena que o PT está perdendo a credibilidade dos seres pensantes, de uma parte de seu alicerce que são as “minorias” LGBTS, Feministas, Negros…pois os poucos direitos adquiridos por estes, foram banalizados e trocados em nome das alianças políticas…Mas não se iludam, nenhum partido vive no poder sem estas alianças..discurso anarquista? parece né? só que não! entre o PT e outros ainda sou PT, acredito que temos ainda uma fagulha de esperança e ela está no PED…só que é PTista sabe o que é, portanto, companheiras e companheiros vamos analisar bem em quem votar neste processo e sim, se queremos mudança, estas começam internamente e pela experiência que vivenciamos internamente e no Governo, temos já dicernimento para sabermos o que e quem queremos dirigindo nosso Partido, pois será o reflexo para o debbate das alianças nas próximas eleições a presidência do País. A Cupula de planejamento estratégico político do PT acertou no inicio no seu planejamento para que através de LULA, o programa político do partido pudesse ser colocado em prática para a população brasileira, muitas coisas não pegaram, mas o foco principal que é o combate a extrema pobreza, pacto este que só foi fortalecido mediante acordos internacionais e alianças com empresariado (PP), Esta aliança que tenho chamado de doutrina do choque  (http://youtu.be/Y4p6MvwpUeo) na ordem cronológica no lugar do PT proteger nossa população de conflitos armados diretos, como por exemplo a volta da ditadura, trocou suas lutas históricas acreditando que fazendo estas alianças estaria protegendo o povo deste retorno ditatorial, porém o que estamos vendo é um país sendo dominado pelos fundamentalismos e que até o projeto maior do PT, o bolsa família, acaba de ser atacado com uma força que os responsáveis se embananaram todxs para explicarem o que aconteceu…vemos os conflitos pelos direitos das demarcação das terras indígenas, quilombolas e de reforma agrária, a educação, as campanhas de prevenção, a câmara dos Deputados, enfim…Um tiro saindo pela Culatra, pois o PT pode até ganhar a releeição em 2015 mas será justamente pelo voto de quem está recém entrando no jogo político ou de quem de alguma forma está sendo amparado pelos projetos sociais…porém, é uma pena que o PT está perdendo a credibilidade dos seres pensantes, de uma parte de seu alicerce que são as “minorias” LGBTS, Feministas, Negros…pois os poucos direitos adquiridos por estes, foram banalizados e trocados em nome das alianças políticas…Mas não se iludam, nenhum partido vive no poder sem estas alianças..discurso anarquista? parece né? só que não! entre o PT e outros ainda sou PT, acredito que temos ainda uma fagulha de esperança e ela está no PED…só que é PTista sabe o que é, portanto, companheiras e companheiros vamos analisar bem em quem votar neste processo e sim, se queremos mudança, estas começam internamente e pela experiência que vivenciamos internamente e no Governo, temos já discernimento para sabermos o que e quem queremos dirigindo nosso Partido, pois será o reflexo para o debate das alianças nas próximas eleições a presidência do País.

Agora enquanto ativistas não podemos ficar observando estes absurdos que estão ocorrendo no país é preciso sair ás ruas e buscarmos defender nossos direitos, nossas conquistas, as conquistas de nossos antepassados onde muitos foram assassinados num século não muito longe, foi ontem, ainda os contamos…

Para finalizar ou a cúpula de planejamento estratégico das políticas para a reeleiçãoo refaz algumas análises e chegue a conclusão que já existimos e fizemos muito por este país e que temos condições de romper determinadas alianças e que seremos protegidos pelo próprio povo, que sabe o quanto o Partido está ao seu lado ou estamos fadados e termos sido consultores, formadores de discursos para a direita e os fundamentalistas tomarem o poder e nós? nós ficaremos ao limbo como qualquer outro partido que já tenha sido poder um dia neste país…levaremos tempo para retomar…eu não verei…

para Inaiê

Existe uma flor na sul do Brasil, disse obaluaiê para xângo.
ogun escutando pegou seu cavalo e galopou para encontrar antes de seu irmão…
Ossaim que era manco, mas não era bobo, pegou carona nos cipós da mata e rumou também..
A flor que era a mais bela, mas não tinha esta dimensão sobre sua beleza,
conversava com as formigas, abelhas que ela dava seu néctar e com o beija-flor
vivia tranquila a enfeitar a floresta…
mal sabia ela da corrida dos orixás para colhe-la e entregarem para sua amada oxum…
Chegada a primavera, ao cruzarem os pampas dobraram em curva, em cor e se depararam com a flor…
Ela era tão bela que não conseguiram colhe-la, entre-olharam-se e resolveram fazer uma reunião e chegaram a uma conclusão,
não iriam colher a flor, iriam abençoá-la e colocá-la no panteão e assim nasceu Inaiê – a Rainha das flores, com jeito de menina, nome de música de lavar a alma…
abençoada pelo panteão dos orixás, protegida de iemanjá, amante de oxum e protegida por ogum, xangô e ossain…a flor inspiradora dos seres amados, amantes, loucos de cara…

A Cultura Viva em nós

Quando falamos sobre as armadilhas do capitalismo e na cultura capital, estamos alertando o quanto a identidade de um povo está sendo transformada para a lógica do consumo e consequentemente á opressão dos povos ditos “minoritários” e na diversidade de sua autonomia para preservar a génese da sua própria história.

 

 

 

É preciso estar sempre alerta para não sermos cooptados e temos que estar sempre vivendo  na lógica da fagocitose, onde nossa cultura não seja apropriada por seres estranhos as nossas origens, ao nosso modo de viver e de florescer o mundo,pois florescer o mundo é alimentar a alma daquilo que nos constrói, neste caso a cultura viva de nossos ancestrais.

 

Evolução não significa abrirmos mão dos processos coletivos que fizeram nossas etnias sobreviverem ao colonialismo, a escravidão, a miséria, a fome; evolução significa preservarmos nosso solo, nosso meio ambiente,nossas diferenças, nossas crenças, nosso alimento.

 

Quando não permitimos que os saqueadores de nossa identidade adentrem em nossos processos de criação, de evolução, de conceitos de vida, estamos utilizando através da nossa arte, da nossa história a prática revolucionária de defesa dos nossos povos. 

 

Enquanto nossa arte e cultura for saqueada na forma mais sutil de atuação deste sistema,que é o jogo da sedução, da apropriação dos conhecimentos de nossos ancestrais e transformarem este fundamento em algo rentável que é excludente dos próprios detentores do saber.

 

Um povo sem conhecimento é povo passivo de manobras para que cada vez mais sua cultura seja cada vez mais distanciada do que antes era de todas e todos.

 

Assim, quando se cria um programa coletivo chamado cultura viva, deve-se ter cuidado com as armadilhas que o sistema capitalista nos apronta. Um programa como este deve estar linkado com todas as diversidade de uma forma onde o principal debate não são eventos em si,mas debatermos este sistema que muda a raiz do programa, o debate é sobre classe, pois a quem atende o Programa Cultura Viva? não são as comunidades e estas comunidades estão em suamaioria localizada onde? a maioria destas entidades são de grande porte? 

 

Expandir o programa pela América Latina sem um suporte de dialética profunda de evoluir o mesmo com o conceito de que machismo, sexismo, raça, gênero, etnias e classe é o que fortalece e fundamentaria este programa, diferentemente do programa brasileiro? 

 

Mas como sabemos as armadilhas capitalistas, fazem com que as plataformas sejam construídas com vícios, nasçam enferrujadas, porque o processo da fagocitose se dá ao contrário, é do sistema para nós e não de nós para este tipo de sistema. 

 

Por exemplo, a comissão nacional dos pontos de cultura é composta por trinta e dois GTS dentre eles o GT Gênero, GT LGBTTs  e de Matriz Africana, quando se fala em um destes segmentos, é um desconforto, pois é visível o quanto em sua maioria @s componentes da comissão estão absorvidos pelo sistema capitalista, não se dão conta que a transversalidade e estes GTs são primordiais para a ampliação do programa cultura viva e o quanto a compreensão destas lutas históricas fortaleceria o próprio programa, pois estas bandeiras de luta estão na cultura como a cultura está nelas, mas o sistema teima em abafá-las, em oprimi-las e sem sentir construímos o óbvio,  fortalecemos o sistema. 

 

Enfim, a identidade de um povo está no respeito ás diversidades e na construção coletiva de processos revolucionários, por enquanto o programa cultura viva, não passa de um programa do e para o sistema, enquanto os/as lideranças do fazer cultura comunitária, coletiva não se derem conta, que o machismo, o sexismo, o racismo estão dentro de cada individuo, construindo diariamente em mensagens sublineares do mídia, não passaremos de números positivos ou negativos para os saqueadores de nossa identidade, de nossa Cultura Viva.

 

 

 

Leila Lopes
Jornalista – RP 0010053